Eugénio Costa Almeida

F8 1555 22Jan 2022 O maior no de corruptos por m2

O analista angolano Eugénio Costa Almeida considerou hoje, em declarações à Lusa, que a divulgação das contas enquadráveis no que se convencionou chamar ‘Luanda Leaks’ provocou pouco mais do que o fim de uma certa nomenclatura económica e a saída de Isabel dos Santos do país.


“Tirando o facto de ter acabado com uma certa nomenclatura económica, não me parece que tenha havido grande desenvolvimento, particularmente em termos de melhorar a classe económica, que permitisse uma substituição daqueles que foram projectados para fora do tecido económico angolano”, disse o investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE.
A propósito do segundo aniversário dos ‘Luanda Leaks’, divulgados pela primeira vez a 19 de Janeiro de 2020, Eugénio Costa Almeida diz que “na prática o ‘Luanda Leaks’ só criou a saída de Isabel dos Santos e de algumas pessoas que estava na área da tutela”.
Um consórcio de jornalistas (supostamente de investigação) revelou a 19 de Janeiro de 2020 mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de ‘Luanda Leaks’, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo (entretanto já falecido), que estarão na origem da fortuna da família.
Questionado sobre a razão de o espaço deixado vago com a saída de Isabel dos Santos não ter sido preenchido, o académico respondeu: “Nós nunca tivemos em Angola uma classe dirigente e económica forte, assente em empresários, todos aqueles que existiram estava ligados ao poder e todo o dinheiro que conseguiram gerar e obter, segundo se tem vindo a verificar, pelas chamadas nacionalizações ou retorno de capitais, foi de forma ilícita ou irregular, portanto não se criou e não tivemos até agora uma classe empresarial bem sustentada e as novas empresas e empresários que se estão a criar são e continuam a ser sustentados com o apoio do Estado”.
Eugénio Costa Almeida deixa ainda um alerta, quando perguntado sobre se esta falta de novos empresários distantes do poder político pode perpetuar a situação identificada nos documentos divulgados pelo ‘Luanda Leaks’: “Se nada for feito, poderá acontecer uma vez mais, mas sejamos honestos, o Luanda Leaks nunca foi bem esclarecido nos devidos contornos, tudo o que foi divulgado foi um pouco pela rama, passaram dois anos e ainda hoje se está a nacionalizar capitais de forma irregular e tendo sido tomados irregularmente, compreende-se que tenham de ser devolvidos ao erário público”.
O país vive hoje um contexto pré-eleitoral e a oposição uniu-se para derrubar o actual partido no poder há 46 anos, o MPLA. “Este não vai ser o tema principal da campanha, o tema principal será a corrupção e o desemprego, a inflação elevada e o facto de o poder estar num partido desde a independência”, considera Eugénio Costa Almeida, concluindo: “O ‘Luanda Leaks’ já passou de moda”.
O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ), que integra vários órgãos de comunicação social, entre os quais o Expresso e a SIC, leu ao longo de vários meses, 356 gigabytes de dados relativos aos negócios de Isabel dos Santos entre 1980 e 2018, que ajudam a reconstruir o caminho que levou a filha do ex-presidente angolano, José Eduardo dos Santos, a tornar-se a mulher mais rica de África, divulgando as principais conclusões no princípio de 2020.
Durante a leitura dos documentos, os jornalistas ditos de investigação identificaram mais de 400 empresas (e respectivas subsidiárias) a que Isabel dos Santos esteve ligada nas últimas três décadas, incluindo 155 sociedades portuguesas e 99 angolanas.
A empresária angolana reagiu à divulgação considerando que a investigação é baseada em “documentos e informações falsas”, num “ataque político” coordenado com o Governo angolano.
“As notícias do ICIJ [Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação] baseiam-se em muitos documentos falsos e falsa informação, é um ataque político coordenado em coordenação com o ‘Governo Angolano’ (sic). 715 mil documentos lidos? Quem acredita nisso?”, reagiu a empresária, em inglês, através da sua conta do Twitter, no próprio dia da divulgação das notícias.


“MPLA Leaks”? Só noutra era
Apesar das revelações do ‘Luanda Leaks’, os problemas em Angola continuam por resolver. Quando todos pensavam que, por milagre, os jacarés passariam a ser vegetarianos…
(...) continuar a ler o texto clicando no acesso a seguir indicado ou na imagem

Análise/entrevista à Agência LUSA, sobre os 2 anos do "Luanda Leaks" e reproduzida e comentada no Jornal Folha 8 (no site em 18.Janeiro e no jornal a 22.Janeiro, págs. 13 a 15)
Partilhe este artigo
Pin It

Escreva-me

Pesquise no site